sábado, dezembro 22, 2007

Aprofundando a Democracia

O rolo compressor democrático avança:

O Tribunal Constitucional notificou os partidos a provarem no prazo de 90 dias que têm pelo menos 5000 militantes.


Eu sei que a lei é dos tempos do Cherne Barroso.
Mas era para levar a sério?
Mas agora é assim?
Não chega aos partidos terem eleitores acima desse número?
Ou mesmo acima de 10.000 ou dos 7.500 que é o número de assinaturas exigidas para existirem?
Mas agora somos obrigados a ter só partidos parlamentares?
Porque querem proibir os pequenos partidos, que normalmente são das franjas periféricas do espectro partidário?
Quem os incomoda?
Os monárquicos?
Os ecologistas verdes/vermelhos?
Os ecologistas a sério?
Os esquerdistas?
Os neo-fascistas?
As novas-velhas direitas?
Isto é uma vergonha e espero que nenhum dos partidos que "escapam" deixe de se solidarizar com aqueles que querem extinguir.
Porque podemos achar que o POUS é arcaico, que o PNR é mau, que Os Verdes são um departamento do PCP ou que o PPM não faz grande sentido.
Mas todos fazem sentido.
E são eles que demonstram a validade da Democracia.
Sem eles não existe Democracia, existe apenas Oligarquia.
Eu não quero ser impedido de votar em quem entender, por muito irrelevante que seja a opção.
A Democracia é isso.
Tudo o resto são artifícios para empobrecer a já de si paupérrima vida política nacional.
É a defesa do status quo até ao limite do admissível.
Esperamos, pois, que Cavaco Silva tenha mão nisto.
Por estranho que pareça, a existência de muitos dos seus críticos mais ferozes depende em boa parte dele.

1 comentário:

anarquista disse...

Mais um golpe na democracia.