terça-feira, julho 31, 2007

Música para noite de Verão

Fórmula resolvente para o PCP



O AVP Matemático, esteve a estudar a fórmula para resolver o problema deste partido ter ficado parado no tempo da antiga URSS e encontrou a equação que o fará estar preparado para os desafios do futuro e sobreviver a esta crise de identidade.

A nossa equipe de matemáticos está agora a estudar e a finalizar a fórmula resolvente para o Comunismo Internacional !

O núcleo duro ou como quem diz o hard-core...

... do poder moiteiro começa a revelar-se pelo isolamento que começa a demonstrar mesmo em relação à sua tradicional base de apoio.
Existem eleitos da mesma cor que cada vez mais abertamente criticam as "Grandes Opções" para o desenvolvimento do concelho. E em locais públicos. Basta estar lá e ouvi-los.
Agora uma espécie de "Colectivo" em forma de "Executivo" de uma "Comissão" em que ninguém dá a cara ou o nome para poder levar a devida lambada - quando criticam outros por serem anónimos - dispara em várias direcções, procurando fazer vítimas em todos os que não alinhem pela cartilha.
Á estratégia é desesperada, mas reveladora do desnorte, do carácter revanchista e da incapacidade de diálogo com a diferença deste núcleo duro com práticas de hard-core político.

O mais interessante é que se apanharmos alguns dos elementos do tal "Executivo", em privado não assumem as posições expressas nos comunicados, refugiando-se exactamente nas decisões do Colectivo e na necessidade de ser fiel aos camaradas no Poder e etc e tal.

Ou seja, antes um anónimo a sério que escreve o que pensa, do que um anónimo disfarçado que dá cobertura a documentos em que não se revê.

E é sempre triste ver cachorritos e cachorrões a morder na mão de quem lhes deu de comer outrora, só para se mostrarem fiéis ao dono actual.

Sem Olhar a Meios II

Do jornal O Rio:

Vimos no Jornal Rostos Online a reprodução de um comunicado do Executivo da Comissão Concelhia da Moita do PCP intitulado «Lições (I)morais», a pretexto de um ‘escrito’ publicado na edição nº 222 de O RIO, em que o nosso jornal resumia uma nota informativa recebida do Movimento Cívico da Várzea da Moita.

Desta vez (foi a primeira vez que aconteceu) o PCP local não fez chegar à nossa Redacção esse mesmo comunicado. Por isso e com
a devida vénia, neste comentário, servimo-nos do texto lido no prestigiado Jornal Rostos.

Neste contencioso entre o PCP e António Ângelo, membro do Movimento Cívico da Várzea da Moita, O RIO limitou-se a resumir (de forma que consideramos lisonjeira para o PCP) a referida Nota Informativa que nos tinha sido enviada, a qual era demasiado extensa. Para que se possam comparar ambos os textos, ainda hoje transcreveremos a notícia que publicámos e a informação integral que recebemos.

Abusivamente, o comunicado do PCP local considera “incautos – os leitores de tal peça”, não respeitando a independência política deste jornal, resumida e bastas vezes afirmada na frase: O RIO É DE TODOS!

O RIO não está nem nunca esteve em campanha contra a gestão municipal, os autarcas comunistas e, muito menos contra o PCP e a CDU, o que é comprovado em dez anos de publicação.

Ao contrário, está a ser sufocado “com uma almofada na boca”. Não foi por acaso que num comentário anterior coloquei o título «Sem olhar a meios…».

Neste comentário vou usar o mesmo título por considerar o referido comunicado do PCP local, no que a O RIO diz respeito, uma peça do mesmo puzzle.

Quando morrermos, que seja de pé!

José de Brito Apolónia

COMENTÁRIO DE ANTÓNIO SILVA ÂNGELO AO COMUNICADO DO EXECUTIVO DA COMISSÂO CONCELHIA DA MOITA DO PCP

Do Rostos Online:

O PCP na Moita sai do sério com um comunicado destes.
Refere-se à minha simples pessoa como um “renegado”.
Que exagero.

Por um conceito desses, eu seria do género “1) daquele que renega a sua religião; 2) que deixou o seu partido para se filiar noutro; 3) que abandona as suas ideias antigas; 4) um malvado”.

Acontece que ninguém no mundo pode provar, por não serem de modo algum verdades no que à minha pobre pessoa dizem respeito, nem os conceitos 1, nem 2 nem 3.

Quanto ao conceito 4, mais do género “apreciação subjectiva”, é verdade que cheguei aos 55 anos de idade sem nunca antes ninguém mo ter chamado.
Nem com razão, nem com falta dela.
Nunca.

Contudo, uma pessoa nunca está livre duma “primeira vez”, e eis que ela me bate à porta pela pena dos dirigentes do PCP na Moita.
Espantoso.
Notável.

Por outro lado, gasta o PCP na Moita um comunicado inteirinho com um ataque “ad hominem” contra mim, ao ponto de, sinceramente, não me sentir merecedor de tanta importância.
Na verdade, falo e escrevo sobre factos e não sobre invenções, sobre cumprimento ou desrespeito de leis, sobre boa ou má governação local, sobre comportamentos éticos ou sobre escuridão na vida pública, e esses seriam bons temas para um interessante comunicado do PCP na Moita.
Agora sobre mim, pobre de mim, por favor, não valerá assim tanto gastarem o seu tempo.

Confunde ainda o PCP na Moita conceitos como “cidadão, antifascista e bufo”, e serve-se de uma brincadeira de palavras para tentar molestar-me a mim e ao Movimento Cívico Várzea da Moita.
Esquece-se de dizer o PCP local que é a postura na vida que faz a pessoa ser um bicho ou ser um Homem, sendo clássica a condição daqueles que, agachados e acorrentados diante dos fortes, depressa viram arrogantes e autoritários perante os fracos.

E revelando-se essa postura bem diferente da de outros que ousam resistir a práticas erradas de má governação, aqui e em qualquer lugar, sem se deixarem cegar pelos emblemas trazidos ao peito por quem as realiza, antes procurando ver e compreender o que elas na realidade representam.
E ousando mesmo pedir o natural para uns, mas o impensável para outros.

Esta forma de encarar as causas, e não os mensageiros, é aliás óptima para se poder perceber o crime quando realizado pela pessoa “acima de qualquer suspeita”, para se poder descortinar o abuso de tirania quando praticado pela organização que antes lutou pela liberdade, para se poder compreender a jogada de corrupção levada a cabo por quem a deveria combater.
Alguém consegue descortinar exemplos de situações similares?

Vai um pequeno exemplo nosso, aqui e agora, sem necessidade de recurso à história do século XX ou de outros tempos e lugares:
Em Armamar, o PCP tem um discurso determinado. Na Moita, viabiliza com a sua governação enriquecimentos bem distintos.
Devemos confundir-nos com a bandeirola, ou descortinar o “lance”?

Finalmente, o Comunicado do PCP persiste na “não resposta” à questão que lhe colocámos frontalmente na Reunião na sua Sede em Alhos Vedros a 5 de Julho corrente:
“No terminar da Reunião, os Cidadãos do Movimento Cívico Várzea da Moita colocaram ainda 2 perguntas, que ficaram sem resposta:
Disseram:
Por favor, respondam-nos como Homens livres, como livres-pensadores.
E perguntaram:
De que lado bate o coração do PCP?
Do lado das aspirações e interesses da Mulher idosa que é proprietário de quase 1 hectare e desejava construir uma Cabine eléctrica de 2m X 2m = 4m2, e não pode?
Ou do lado do grande Cidadão que desejava tirar os seus 6 hectares de Solo Rural, em REN e em RAN, para os passar para novo Solo Urbano sem REN e sem RAN, e aí edificar 3.970 m2 de Armazéns, e conseguiu?
Perguntaram ainda os Cidadãos do Movimento Cívico Várzea da Moita:
É este o PCP de Francisco Miguel, de Pires Jorge, de Afonso Gregório, de Álvaro Cunhal?

Estas são verdadeiramente Perguntas a que o Comunicado do PCP na Moita poderia ter respondido, mas não o fez.

António Silva Ângelo

A televisão do presente



Para todos aqueles que ainda não viram a série Weeds em episódios duplos às segundas à noite na RTP 2 só tenho uma coisa a dizer: I pity yourself.

Por cá vamos na 1ª série, mas nos EUA vão a caminho da 3ª.

Vamos ter de melhorar isto

O Web 2.0 Validator só nos dá 6 pontos em 9 em matéria de Web 2.0.
Estas férias já tratamos da coisa.

(Claro que a concorrência só chega aos 5 pontos...)

segunda-feira, julho 30, 2007

O 25 de Abril e o PCP

O MFA foi um movimento de militares (essencialmente de Capitães), que estavam insatisfeitos com a sua carreira militar e que viam na guerra colonial em três
frentes Angola, Moçambique e Guiné-Bissau um problema bicudo, pois não conseguiriam vencer nas três frentes simultaneamente e por isso viam a sua carreira
militar problemática.

O Livro de Spinola, "Portugal e o Futuro", preconizava uma negociação independentista para a Guiné-Bissau onde a guerra estava ganha pelo PAIGC devido ao apoio da Guiné-Konakri e da França a esse movimento.

As guerras em Angola e Moçambique teriam ser negociadas com as populações locais, os nativos, os colonos e os movimentos "independentistas", alguns patrocinados pelos EUA e outros pela URSS, mas não o foram devido ao golpe de estado de 25 de Abril de 1974.
A queda do regime ditatorial Salazarista / Marcelista foi culpa da visão tacanha e não negocial de Salazar e depois Marcelo Caetano com os EUA, com a URSS e com a Europa mas principalmente, foi uma falta de visão estratégica de Salazar não ter começado logo depois da segunda guerra, uma autonomização dos governos das colónias com governos regionais eleitos pelos próprios cidadãos dessas colónias. Uma federação de Estados teria sido possível posteriormente e não teria acontecido a descolonização "exemplar" a que assistimos depois.

O PCP é um elemento alienígena nesta questão Nacional e nada teve a ver com a queda do regime em 25 de Abril de 1974.Salvaguardo a possibilidade de terem existido desígnios e directizes dadas pela URSS ao PCP durante o seu 4º Congresso, mas esse congresso foi em 1946 e o 25 de Abril, 28 anos depois... A importância que o PCP teve posteriormente e durante o PREC, até 1975 nos governos provisórios e especialmente no 5º governo de Vasco Gonçalves, foram fruto de negociações estratégicas de delimitação de influências entre a URSS, (Pacto de Varsóvia) e os EUA, (NATO).

O PCP não teve por isso a mínima importância no Movimento dos Capitães, que levaram a cabo o golpe de Estado que desencadeou a Revolução dos Cravos,
apenas oportunistamente e com o apoio da URSS e a tolerância estratégica negociada dos EUA, o PCP pode inventar essa sua importância histórica na luta pela independência das colónias Portuguesas, quando o seu interesse por essas colónias só surge em 1946 e por indicações específicas da URSS, para que passem para a esfera de influência da URSS, pois até então a questão colonial tinha sido um assunto completamente ignorado por este partido internacional, o PCP, que pura e simplesmente ignorava e omitia esse assunto, dado o PCUS ainda não ter opinado sobre esta temática.

Hot Hot Heat

Dúvida existencial

Será que o "Colectivo" e o "Executivo" não são formas de anonimato disfarçadas, para que os indivíduos se encubram no grupo para depois se desculparem dos disparates?

E depois ainda falam de nós...

Parabéns merecidos



A Escola Técnica Profissional da Moita parece ter bastante sucesso ao nível do sucesso escolar e da captação da procura de alunos no concelho, pois afirma-se que irão abrir três novos cursos para o próximo ano lectivo e passar de 60 para 130 alunos.

E merece ser destacada pelo trabalho desenvolvido. Só gostava é que o site da escola fosse mais facilmente detectável nos motores de busca convencionais para eu estudar o corpo docente.
Tenho cá umas curiosidades.

E assim se prova a visão do Poder Local ao ter escolhido esta instituição privada para estabelecer uma parceria preferencial, preterindo fazê-lo com os estabelecimentos de ensino da rede pública existentes no concelho.

Rigor, Etc e tal e horas extraordinárias

Do Margem Sul:

«Tribunal de Contas extingue processo contra Câmara do Barreiro
Pagamento voluntário deu por concluído processo que já durava há sete anos. Caso envolve ex-presidente comunista, Pedro Canário, e os vereadores José Henriques e Carla Marina.
(...)
A auditoria constatou a autorização, pagamento e percepção indevida de remuneração relativa a horas e trabalho extraordinário, prestado em dias de descanso semanal complementar e feriados, e horas extraordinárias para além do limite estabelecido por lei.»

Esta notícia é muito interessante por diversas razões:
  • Porque tudo isto decorria há 7 anos sem que quase ninguém soubesse.
  • Porque os envolvidos só foram correr a pagar as multas quando viram que a coisa ia acabar em Tribunal.
  • Porque mexe com uma das áreas sensíveis do funcionamento e finanças das autarquias locais, que é o do pagamento de horas extraordinárias, algo que em muitas paragens obedece a critérios muito selectivos.
Seria, aliás, por demais interessante saber quem foram os beneficiários de tais horas e, já agora, tentar perceber se a Câmara moiteira resistiria a uma inspecção deste tipo feita ao «cumprimento da legalidade dos procedimentos administrativos e dos registros contabilísticos, bem como (...) à análise das contas e demonstrações financeiras», como aconteceu no caso da CMB, de acordo com anotícia em causa.

Há argumentos e argumentos

A Comissão Concelhia do PCP da Moita, pela pena do seu "Executivo" fez divulgar hoje uma nota de imprensa destinada a atacar directamente o movimento da Várzea da Moita e o senhor António Ângelo, que se tem destacado na luta contra a aprovação do PDM moiteiro.
Apesar de ser estranho que uma nota partidária seja produzida com estes efeitos de ataque pessoal a um cidadão - mas isso são opções e ódios de estimação em que não nos metemos - o mais estranho é a forma que tomam os que poderão passar por ser os "argumentos" de tal nota.
Deixando a defesa do Movimento da Várzea e de A.A. aos próprios, convém no entanto esclarecer aqui os incautos leitores sobre alguns aspectos "interessantes" da referida nota.
  • Antes de mais, afirma-se na nota em causa que «O PCP defende e incentiva, as mais das vezes isoladas no contexto partidário português, as iniciativas, os movimentos e as organizações populares. Contudo, nunca o PCP se eximiu à sua responsabilidade, enquanto Partido de classe, com a sua identidade ideológica e os seus princípios, a valorar os propósitos, explícitos ou encapotados, de qualquer movimento». Isto é divertido, pois todos nós sabemos que se há algo que o PCP é especialista, e o da Moita em especial, é em "inventar" movimentos cívicos que só os militantes, familiares e amigos conhecem, que são criados com despropósitos muito específicos de combate ou de distracção das atenções. Vejam-se a este propósito as iniciativas quanto à renovação da escola Secundária da Moita, quando a CMM é parceira de um projecto que a está a esvaziar de alunos ou mesmo quanto ao SAP de Alhos Vedros (um protesto que nunca se percebeu se passou do papel de rascunho). Portanto, aparecer este "Executivo" (será que é um Colectivo?) a criticar um movimento de cidadãos por ter intuitos ocultos, quando eles são claramente explícitos (travar este PDM), só pode ser o resultado de muito calor na moleirinha.
  • Para além disso, ressalta dessa nota a falta de satisfação pelo facto de O Rio ter publicado um escrito do senhor António Ângelo, sem que o contraditório tivesse sido imediatamente pedido. Resta saber se sempre que O Rio divulga qualquer nota do PCP, este "executivo" recomenda ao director daquele jornal que vá ouvir os visados pelas diatribes habituais nessas notas destemperadas e por regra quase incompreensíveis.
  • Por fim, afirmar que «o PCP não reconhece legitimidade moral aos que o renegaram para nos darem quaisquer lições» revela até que ponto isto se tornou uma questão pessoal e não de princípios. O PCP não admite que qum tenha saído das suas fileiras possa ter direito a opinião e muito menos à razão. Isto é uma visão canhestra, simplória e neste caso efectivamente antidemocrática de quem acha que um combatente antifascista era equivalente a um bufo. Para quem, como eu, teve familiares com problemas em outros tempos por causa de denúncias de bufos isto é uma enorme afronta. Assim como desautoriza o PCP local de fazer críticas a várias situações da actualidade em que se deram situações de delação vergonhosas. Mas, pensando bem, talvez tudo se perceba graças ao incentivo que certas pessoas deste "Executivo" ou dele próximas deram a práticas de bufaria e delação local nos últimos anos. Lembremo-nos do "Vigilante", lembremo-nos da caça às bruxas ao AVP, para não falar em outros blogueiros que ficarem pelo caminho com receio de maiores chatices.
Assim se percebe, afinal, a ideia que o PC local tem de Democracia e que deverá entristece todos aqueles que, no passado, lutaram efectivamente pela Liberdade e não pelo domínio autista do Poder e pela distribuição dos tachos a clientelas particulares.

Com esta nota - e independentemente das questiúnculas particulares com António Ângelo - o "Executivo" do PC local envergonha o seu partido a nível nacional e demonstra até que ponto defende conceitos perfeitamente ultrapassados do que é o combate político.

E se me alegarem com a legitimidade do voto, então eu digo desde já que não lhes reconheço legitimidade para criticarem o "engenheiro" Sócrates ou o etílico Jardim.

domingo, julho 29, 2007

AVP-BD



Quando chegam os nossos?

Quanto a maledicência e veneno...

... talvez fosse boa ideia deixarem de nos acusar de sermos a fonte de todos os males e darem um volta pelos cafés do costume na Moita.
Ainda há pouco tempo em troca de opiniões com duas pessoas que por lá passam ocasiobnalemente, ambas com actividade política relevante no passado deste concelho, confessavam que o estado de degradação dos comentários que por lá se fazem sobre quem bem sabemos, atingiu um grau indescritível.
E nem por acaso não são apenas os adeptos da oposição.
Muito pelo contrário.
Só não sabe quem não quer ouvir.
Depoios não descarreguem nos do costume.
Temos as costas largas mas não tanto.

Madeira=Moita

Cada vez que leio mais sobre a forma como o governo jardineiro da Madeira justifica os seus atropelos ás leis da República, e as justificações que dá, mais o acho parecido com o poder moiteiro.
As estratégias são quase gémeas quanto a culpar o Poder Central por não cumprirem com as suas obrigações.
Marques Mendes foi mostrar a sua pequenez política ao Chão da Lagoa, em troca dos votos dos eleitores laranjas madeirenses para a liderança do PSD.
Esperemos que Jerónimo de Sousa não faça coisa parecida . porque nem precisa - com esta malta que se diz comunista na CMM.

Ólhálhi...

... o Manuel José, que foi despedido por ser "incompetente".
Olhalhá o Benfica a levar com a ripa na rapaqueca dos egípcios, que como bons muçulmanos que são, até devem ter tido vergonha de bater a miudagem tão donairosa e saltitante nos seus equipamentos rosinha.
Pobre Rui Costa.
Ao que pode chegar uma carreira que até foi brilhante.

O autarca-modelo?



E foi eleito 22 anos de seguida.
Será que a eleição lava e é argumento para tudo?

sábado, julho 28, 2007

AVP vs. Península Digital

Para quem diz que o AVP não interessa a ninguém eis a comparação entre os visitantes únicos ao AVP (do lado esaquerdo, sempre) e ao site da PD nos primeiros quatro meses deste ano, dados disponíveis no próprio site até à data




Palavras para quê?
Os números falam por nós!
Um projecto distrital onde chovem muitos milhares de euros é menos procurado do que um esforço local amador, sem subsídios, de um par de carolas.
E nem sequer estou muito interessado nas explicações que certamente alguém arranjará através de uma linha verde directa.

Afinal o verniz estala por todo o lado

Do Rostos Online:

No Barreiro - Reunião de Câmara vigiada pela Policia de Intervenção
“Disponíveis para discutir alternativas de localização do Mercado Verderena”

Não me espantaria muito que por cá o exemplo tivesse seguidores.
Afinal a camarilha amoitada é unha com carne com a barreirense como se viu na campanha eleitoral de 2005.

Hoje à noite na RTP 2


Depois de um programa, de origem espanhola, dedicado à história dos comics, difundido há cerca de uma década, eis a primeira tentativa no século XXI de produção nacional de um espaço televisivo sobre banda desenhada.
Que tenha vida longa.
O blogue respectivo é este.

Já vão tarde!

Do Público:
José Couceiro demitido da Federação Portuguesa de Futebol

Do Mais Futebol:
Benfica confirma saída de José Veiga

Couceiro conseguiu em poucas semanas estragar o trabalho de muitos anos.
Só lamento não ter sido despedido ainda antes de entrar no avião do Canadá para cá e não o terem deixado lá a jogar ao pau com os grizzlies.
Quanto ao Veiga, até podia ficar mais uns tempos, para ajudar ao descalabro completo da equipa do Benfica. Mas como não ganhou nada com o negócio do Simão deve ter ficado tristinho.
Para quando o regresso à casa do FCP no Luxemburgo?

Bucha e Estica



Novo ‘look’ das Spice Girls
Raparigas ‘picantes’ vão aparecer nuas nos concertos
As raparigas foram substituídas pelas trintonas já mamãs, mas isso não vai impedir algumas das Spice de mostrar um pouco mais de pele nos concertos de regresso do grupo.
Quem avança o novo estilo ‘Spice’ é a versão online da Sky News, que indica que Victoria e Emma estarão dispostas a revelar um pouco mais do que seria esperado

Agora é tarde.
Há 8-10 anos, tudo bem.
Agora nem é por causa da idade, é apenas porque a Victoria que era um mimo, tornou-se um cabide anoréctico.
Já a Emma, podia ter aproveitado para perder uns quilinhos, mas talvez ainda desperte algum interesse.
E isto não é um comentário sexista, mas uma mera observação preocupada com a Saúde da rapariga e o bem-estar dos potenciais interessados.

Porque a ideia é beijarem-se atrás!

Do Sol:

«Homossexuais são presos por se beijarem em frente ao Coliseu
A polícia italiana prendeu dois homossexuais acusados de «conduta obscena» por se beijarem diante do Coliseu, o que na provocou confusão e protestos»

Estúpido, muito estúpido

Ministério da Justiça promove mediação de conflitos no mundo virtual do Second Life
.
Lamento mas este título da edição do Público de hoje revela algo demasiado estúpido para ser comentado a sério

sexta-feira, julho 27, 2007

AVP Musical



Mas para quando o Rouxinol na Praça Daniel do Nascimento?
O Tony Carreira já começa a chatear...

AVP Divulgação

Caros Amigos,

A Velhinha vai realizar durante as Festas de Alhos Vedros a Exposição "Artistas da Nossa Terra", para a qual fui convidado.
Para fechar o ciclo da Colecção, "Os Barcos d'O RIO", a Azulejaria Artística Guerreiro, mostrará nessa exposição os trabalhos em azulejaria, que proporcionaram a iniciativa dessa colecção de cromos, publicada no Jornal "O RIO".

"Esta Colecção de cromos em azulejos "Os Barcos d 'O RIO" resulta da colaboração de 3 parceiros;

Primeiro - O jornal O RIO que através do seu director Brito Apolónia, viabilizou pela segunda vez na sua história, a publicação de uma colecção de cromos com
saída quinzenal e em cada edição do jornal O RIO, do nº 193 ao nº210, recordo que a primeira colecção de cromos de azulejos, "Imagens do Concelho da Moita", já antes tinha sido publicada no RIO.

Segundo- Francisco Guerreiro, proprietário dos Talhos "Nova Era', que patrocinou a Caderneta onde os cromos seriam coleccionados

Terceiro- A Azulejaria Artística Guerreiro, que assim efectuou uma forma de fazer publicidade e divulgar o seu trabalho na área da Azulejaria Artística por permuta dos seus azulejos com o jornal "O RIO".

-Não houve por isso através de Luís Cruz Guerreiro qualquer espécie de transacção comercial que implicasse dinheiro,apenas se efectuou uma troca de serviços.
-Com o jornal 'O RIO", foram trocados azulejos por espaço publicitário e no caso das Talhos 'Nova Era", a publicidade das Capas da Caderneta pagaram
impressão da mesma.

Quarto- A venda dos azulejos em cinco Papelarias / Tabacarias dos Concelhos da Moita e do Barreiro acrescentaram a possibilidade dos leitores do RIO,
colecionarem também os azulejos pintados à mão, além dos cromos impressos.

Quinto- Culmina esta iniciativa na exposição dos Trabalhos em Azulejaria "Os Barcos d 'O RIO", na exposição temática que decorrerá na Velhinha durante as
Festas de Alhos Vedros, que decorrem de 27 a 31 de Julho, para que todos possam apreciar e talvez comprei os azulejos que retratam as embarcações típicas dos
séculos XVIII, XIX e XX. que serviram de principal meio de transporte de passageiros e mercadorias, entre as margens do Estuário do Tejo."

Luís Cruz Guerreiro

Questão de geografia?

«Mas, segundo ouvi dizer, e dito por gente que o elogia e com ele faz pactos, isso não só não faz dele um democrata como, parece, é péssimo para a democracia. A não ser que tenha dias. Ou geografias.» (Fernanda Câncio, Diário de Notícias)

A simpática jornalista que escreve isto parece tê-lo escrito acerca da situação na Madeira.
Mas como muito bem termina, esta é uma questão de dias e geografias, porque o que é mau na Madeira, já não é mau por cá. Seja em Lisboa ou em outro lugar.
Como na Moita.
Pois por cá será muito interessante ler alguém a criticar a decisão do bonzo Jardim de não querer aplicar a lei da IVG, mas depois alegarem exactamente os mesmos argumentos para desrespeitarem outras "leis da República".
Ou alguém já se esquecer da "pedrada no charco" que a CMM decidiu dar ao não apoiar as actividades de enriquecimento curricular, ao atrasar a elaboração da Carta Educativa e em outras medidas, alegando exactamente a discordância com as leis ou a falta de verbas, como agora Jardim faz?

Porque o problema nestes casos é sempre o efeito boomerang das asneiras que se dizem num certo momento.
Porque é difícil criticar alguém que faz e alega exactamente o mesmo que nós, só que para um caso diferente.

quinta-feira, julho 26, 2007

Factos confirmados e conclusões credíveis

  1. Em quiosques públicos e a funcionar, no início da semana existiam blogues locais e regionais que tinham o acesso negado.
  2. Alguém que "sabe com que linhas se cose" ao projecto afirma ter telefonado para a Península Digital a pedir informações sobre esse possível barramento.
  3. O mesmo alguém diz que foi informado do barramento não existir e que deveriam ser problemas técnicos ocasionais.
Daqui se inferem três possíveis conclusões que os factos não desmentem:
  1. Os blogues em questão estavam no início desta semana com o acesso negado em alguns quiosques do projecto Península Digital.
  2. Alguém que está "por dentro" do projecto não pareceu surpreendido com essa eventualidade, apenas tendo telefonado para uma linha qualquer para saber se o barramento existia ou nâo, o que indica que esse barramento é possível.
  3. Os problemas técnicos quando nascem, nascem só para o mesmo lado.

Apanhou a piroga do meio-dia na Nova Zelândia

Luís Filipe Vieira no Sportugal:
'Substituto de Simão está a viajar para Portugal'

E porquê da Nova Zelândia? perguntarão os benfiquistas ávidos de notícias.
Simples, meus caros.
Porque o substituto de Simão precisava de reunir três condições indispensáveis:
  1. Ter sido duplo do Elijah Wood no Senhor dos Anéis, que foi gravado por lá.
  2. Dar saltos como um canguru para a grande área.
  3. Ter um penteado super-esquisitóide como um indígena daquelas paragens.

quarta-feira, julho 25, 2007

AVP Cinéfilo



A seguir ao filme dos Simpsons, por favor, ide ver este.
Ide e não vos arrependereis.

Partidos Internacionais III

O PCP, (Partido Comunista Português)

Um partido que sempre foi adepto das evoluções sociais-fascistas da antiga URSS.

O PCP como partido internacional sempre foi um suplemento do PCUS, sempre foi um partido seguidista da evolução da ditadura do proletariado a que a URSS nunca deu o seguimento correcto que seria a ausência de poder, ou seja a Anarquia que Marx escrevera no seu livro "O Capital", como sendo a sequência e a evolução natural da ditadura do proletariado no seu estágio mais evoluido.

A realidade é que o Lenine, quando se viu com o poder terreno de dominar tão grande nação, a Rússia e anexos, começou a pensar em termos imperiais, o que é humanamente normal.

A grandeza da Rússia, transformou-se por isso numa grandeza da URSS, que devido à dimensão continental da sua revolução era demasiado grande para se cingir às suas fronteiras. Devido a isso a revolução teria de continuar abrangendo todos os países e povos que lhe fossem vizinhos e que aceitassem o socialismo como a única forma de regime passível de ser digerido por povos rurais que tinham vivido anteriormente em regimes feudais déspotas e de escravatura social.
Marx tinha previsto erradamente que a revolução social-democrata seria feita pelo proletariado, nas economias capitalistas, mas foi no campesinato que encontrou o seu pasto, devido ao feudalismo.
A Rússia foi por isso a presa natural da social-democracia de Lenine que depois transformou o seu partido em partido comunista, mudando-lhe o nome que anteriormente tinha sido partido social-democrata da Rússia.
O PC da Rússia viveu sempre numa ditadura que teve diversas fases.

Histórico

-1918-A revolução vermelha que anulou a revolução branca anterior.
-década de 20 do séc. 20-implementação da ditadura do proletariado, nunca mais abandonada.
tentativa por Trotsky de criar uma revolução mundial permanente, internacional abrangendo todos os povos e nações do Mundo.
-centralização do poder, nacionalização de toda a economia.
-quebra de poder local dos sovietes, devido a essa centralização do poder.
-pragmatismo socialista por parte de Lenine, que achou que a revolução socialista possível seria feita apenas na URSS.
-A subida ao poder de Staline em 1922, seria uma forma de volta ao estatuto imperial da Rússia, com o culto à personagem e uma destruição efectiva de todos os inimigos internos.

O PCP recomeça a sua forma organizada de luta, depois de ter quase acabado nos princípios da década de 20 do séc. 20 e de 1930 em diante será sempre a sucursal do PCUS, seguindo todo o historial desse partido Russo.
O PCP, foi essencialmente Stalinista entre as décadas de 30 a 50 do séc. 20 e as directizes do Komintern foram aqui seguidas piamente, quase devotamente.
Staline caíu depois em desgraça e o PCP, tentou apagar essa memória de três décadas de historial Stalinista.
A URSS foi evoluindo na continuidade centralista e depois da II Guerra foi agraciada pelos vencedores, sendo-lhe dada uma vasta quantidade de Nações que criaram o Bloco Socialista Imperial da Rússia.
Negociações entre a URSS e os EUA, qual tratado de tordesilhas dividiram o mundo em dois blocos e Cuba pode sobreviver com o seu regime, devido a isso.
Lutas externas mediam o poder de ambos os blocos e Africa foi uma das suas guerras frias, onde por exemplo se degladiavam estes dois blocos sem necessitarem de entrar numa guerra que destruiria o mundo.

O PCP sempre esteve do lado da URSS, quando os Cubanos entraram no conflito em Angola.
A propaganda da União Soviética e dos países do Bloco de leste tinham até uma representação na Baixa da Banheira.
Foram enviados jovens comunistas à URSS, para estudarem e cursarem nesse País, que voltaram e foram devidamente integrados na sociedade social-fascista do concelho da Moita.
Foram criadas em 1975 as Brigadas Brejnev, para controlarem a oposição no concelho da Moita.

O PCP é por isto tudo um partido internacional, sem pátria porque a URSS acabou, mas continua aqui no concelho da Moita sendo o protótipo da luta contra o fascismo, sabendo nós que se a URSS o tivesse deixado controlar o poder em 1975 em Portugal, a sua nefasta influência à muito teria acabado, pela praxis e pela cópia de modelos estrangeiros ditatoriais que nada se adequariam ao nosso País, Portugal.

E por falar em regressos!

Já repararam que nesta blogosfera local somos nós que levamos com o adjectivo de arrogantes e pretensiosos, mas são outros que têm o proveito?

Há uns que criam uma rede de blogues para parecer que são muitos e revezam-se a comentar-se uns aos outros ou a si mesmos.
É uma Graça.
É uma coisa mesmo espiritual.
Uma coisa que só se consegue fazer depois de muitos estudos.

E depois há aqueles amoitados que sugerem visitas a "novos" blogues, que merecem ser consultados, quando são autores/colaboradores dos ditos.

Por isso vou aqui fazer uma rábula a um comentário que já surgiu na tertúlia amoitada a esse respeito e que os amoitados serviço sabem perfeitamente que fui o autor.

Então é assim:

AV1: Ó AV2, pá, tu já viste que blogue tão jeitoso que há por aí?
AV2: Pois é, é muito bom, sugeria mesmo que o visitasses!
AV1: Claro, porque é muito bom, muito bem concebido, com bons colaboradores.
AV2: E olha-me este que também me parece merecedor de uma visita!
AV1: Também é muito bom. Está parado e mal posta mas é excelente.
AV2: É, não é? Merece mesmo uma sugestão de pé de página.
AV1: Pois merece, é uma coisa que faz pensar.
AV2: Quase tanto como este, que não desfazendo é um belo blogue.
AV1: Maravilhoso. Quem serão os autores?
AV2: Não sabes?
AV1: Não!
AV2: Somos nós!!!
AV1: Ahhhhhhhh...... pois é! Nem me lembrava, olha lá a distracção.
AV2: Tu andas muito distraído. Mas são bons blogues, a merecer consulta.
AV1: São, pois são. Não desfazendo nos autores.
AV2: Que somos nós.
AV1: Pois somos.
AV2: Então agora vamos ali comprar uma garrafinha de alcatrão para mascarrar a cara?
AV1: Não te esqueças das penas...
AV2: Está bem!

Hoje é para valer?

Valerá a pena?
Ou não?
Eu só queria mesmo assitir à democracia em funcionamento.
Longe de mim intervir para falar.
Era logo catrapilado pelo aparelhismo regressado de férias.
Aliás é curioso.
Ou não?
No outro dia não podia ser.
Agora já pode.
Antes havia quem estivesse fora.
Agora há quem já tenha voltado.
Pode ser que sim
Pode ser que não.
Porque há coicidências.
Eu não acredito em bruxos.
Mas que os há...

AVP Musical de Verão

terça-feira, julho 24, 2007

Puro AVPrazer



O grande mestre está de volta aos livrinhos. Não há que enganar, a começar pelo título e continuando pelo resto.
Eis um naco de prosa, daqueles mesmo suculentos:
.
«Os poderosos alimentar-se-ão sempre de comidas ricas, bem temperadas com molhos pesados, enquanto os fracos depenicarão trigo integral e tofu, convencidos de que o seu sofrimento lhes valerá uma recompensa na vida além-tumba, onde as costeletas de borrego grelhadas estão na berra. Mas se a vida além-tumba for, como defendo, uma repetição eterna desta vida, então os fracos terão de jantar para todo o sempre alimentos baixos em hidratos de carbono e frango cozido sem a pele.»
.
Assim é que se escreve!
Os hidratos de carbono ao poder!
Já!
Os cicloturistas vegans para a eternidade e em força!
E levem consigo os new-age adeptos da cristalografia, do seitan grelhado e do Quinto Império deslavado.
E não há cá conversas!

Então o Colectivo é que pensa e decide tudo?


Deduz-se, pois, deste magnífico texto de José Paleta em O Militante nº 289 sobre a 7ª Assembleia da ORS, que tudo o que é feito pelo partido é pensado e trabalhado pelo Colectivo, incluindo o PDM moiteiro, a forma ofensiva de JLobo dirigir-se a eleitos da oposição e cidadãos "anónimos" e ainda a recusa do direito de participação à população.
É reconfortante saber isso, pois poderíamos pensar que era apenas uma facção do PCP que impunha esses devarios ao resto dos "camaradas".
Afinal foi o Colectivo, esse grande manganão.

segunda-feira, julho 23, 2007

Mais sobre o grande Porco Ibérico

José Saramago o Grande Porco Ibérico, merece uma crítica dum Espanhol Galego que o "Portugal Profundo" publica no seu Blogue e que vamos republicar aqui:

"Saramago ou a bolorência intelectual

Mais uma vez Saramago volta a apoiar as posições do imperialismo espanhol mais intransigente e da intelectualidade de cloaca que desde Madrid anela a uniformização da península sob a bota castelhana, propósito para o qual é necessária a aniquilação das outras identidades não castelhanas da velha Ibéria.
Personagens assim são as que necessita esse imperialismo culturicida, discutido e combatido dentro das fronteiras do estado espanhol, para agitá-los como um espantalho ante os que não aceitamos a imposição dessa homogeneização forçosa; recebem essas estultícias com alegria, pois venhem a reforçar o seu discurso e, segundo eles, a deslegitimar a oposição de bascos, catalães e galegos à destruição das suas culturas e à preservação do seu Ser diferenciado.
Já não é a primeira vez que o senhor Saramago nos presenteia com estes desatinos, nos que bastante terá que ver a ideologia centralista e materialista que semelha ter sido o seu berço ideológico; acresçamos a essa ideologia a sua ignorância (injustificável) do papel histórico e actual dessa Espanha que ele admira como cárcere e cancro de povos e culturas dentro e fora dos limites peninsulares.
O resultado dessa mistura não pode ser mais nefasto, por usar uma palabra castelhana, um “esperpento”, quer dizer, algo ridículo, absurdo, um discurso e umas posições lamentáveis que o fazem cúmplice das linhas de pensamento mais retrógadas e ultraimperialistas sustentadas pola caverna de Madrid.
Essa caverna que amiúde faz troça e menosprezo do que é português como nos tempos passados nos que, segundo um tristemente célebre humorista, Pinto Balsemao era um senhor “con pinta de embalsamado” para riso e gargalhada de espectadores incultos.
Curiosa aliança a de Saramago com os sectores mais agressivos e intolerantes da direita espanhola. Enfim, mais uma sabujice e um lambido de botas face a essa “España y lo español” cujos sonhos (pesadelos para nós) passam nem só por apagar as outras identidades existentes no estado espanhol senão também pola anexação de um estado, o de Portugal, que para ela não tem direito a existir, sendo só o produto de um erro e de uma traição históricas que algum dia deverão ser corrigidos. E uma infámia e uma cuspidela para com aqueles que, ontem e hoje, tomamos a opção pola defesa dessas identidades étnicas, lingüísticas e culturais contra os delírios doentios do centralismo espanhol."

Bieito Seivane - Galiza

O regresso da Censura Prévia

O Brocas vai escrever sobre isso, mas eu não resisto a furar a novidade.

Então não é que o acesso ao AVP e ao A-SUL está bloqueado pelo menos em alguns quiosques da net do projecto Península Digital, enquanto outros blogues são de acesso livre?

Afinal é este o modelo de liberdade que defendem com o uso de dinheiros públicos?

Democracia virtual à moda da China?

Será uma sessão pública "pública"?

Através do blogue Um Por Todos, tomamos conhecimento da seguinte nota da CMM:


Relembremos que para a sessão de 9 de Julho esteve prevista essa participação, anunciada no mesmo espaço oficial do poder moiteiro, sendo de lá reatirada a notícia no fim de semana anterior, enquanto João Lobo aparecia no Rostos Online com uma entrevista digna de uma novela terceiro-mundista, em especial na sua modalidade venezuelana.

Desta vez é para levar a sério ou é só para voltar a atrair as moscas à teia da aranha?
E será que 25 de Julho é a data ideal para promover a discussão pública seja do que for?
Não foi o PCP que se insurgiu contra o carácter tardio das eleições intercalares em Lisboa, por serem a 15 de Julho?
Depois, não aparecendo muita gente, alega-se com a adesão do povo à política do poder.
Algo parecido a dizer que a abstenção em Lisboa é uma forma de validar a eleição de quem ganhou.

Realmente a vergonha escasseia e mesmo de férias o AVP ainda precisa de dar umas marteladas neste modelo de democracia pseudo-participativa.

domingo, julho 22, 2007

Islamitas, Judeus e Cristãos

Todas estas religiões monoteístas foram e são, o grande motivo do fraco desenvolvimento espiritual da espécie humana, (sobrepondo o factor emocional ao racional e menosprezando o valor individual pelo valor do grupo, espírito colectivo), o regresso ao politeísmo e ao paganismo, tornam-se por isso factores decisivos para a sobrevivência desta espécie, isso claro, aliado a um forte sentido da capacidade individual.
O grupo, entre os quais os partidos são os seus representantes máximos, serão sempre substítuiveis, o indíviduo nunca.

Lamento, mas não...



.. o estilo grindhouse ou os slasher movies nunca me entusiasmaram.
Mesmo numa revisão algo paródica acho que o ridículo é o que mais dá nas vistas.
Um Tarantino completamente atarantado, se me permitem este trocadalho.

Bom artigo

O de António Duro em O Rio.
Seria mesmo excelente se, como muito boa gente, ao longo do texto não tropeçasse na sua própria argumentação.
Quem escreve:

«Mas alguns só chamam mentiroso e Pinóquio ao Sócrates, feitios…»

e

«Veja-se o movimento de entradas e saídas de assessores nos últimos anos, que entram quando perdem certas câmaras e saem quando as reconquistam, quem é que tem sido normalmente (a regra) admitido para os quadros da câmara desde que o aparelho comunista conquistou a mesma, etc.»

... não concretizando o que insinua, poderia evitar o ataque de politicamente correcto da passagem:

«Naturalmente que não quero enveredar pela insinuação torpe de intentar processos de desonestidade aos eleitos, qualquer que eles sejam, pois isso é do mais degradante que pode existir na vida pública.»

Ou ainda de outra passagem mais abaixo no texto que não reproduzo, para que não digam que enfio a carapuça.
Só que esta gente, que até tem boas ideias e é capaz de explicitá-las, não deveria ter tanto MEDO de ser associada a outrém e a outras formas de crítica, assim como deveriam TÊ-LOS NO SÍTIO para concretizarem as alusões "entradas e saídas".

Porque se sabem das coisas e não gostam de insinuações, maledicências e processos de desonestidade, ou fazem o que aconselham aos outros ou então não os critiquem.

É que não é Duro quem quer, ou quem afirma que é... mas quem o consegue ser.

A Bosta nº 13



Já está em circulação.
Mais informações no Arre-Macho, o grande blogue da Moita que o AVP considera alhosvedrense honoris causa.

Será pública pública ou pública "pública"?

Será que no Barreiro se respeita a lei ou se segue a linha moiteira?

sábado, julho 21, 2007

Música para sábado á noite

AVP Divulgação

Exmªs Senhoras e Senhores Jornalistas,
Bom dia!

Ass.: Reunião Pública sobre a Moita e a Revisão do PDM na terça-feira dia 24 Julho '07, pelas 2130 HH, na Sede Concelhia do BE na Moita

É com gosto que vos damos a conhecer a realização de uma Reunião entre o Movimento Cívico Várzea da Moita e o Bloco de Esquerda, Concelhia da Moita , a ter lugar na terça-feira dia 24 Julho '07, pelas 2130 HH, na Sede Concelhia do BE na Moita - Rua Miguel Bombarda, 63 -1º, muito perto do Largo Conde Ferreira e a 100 metros do Pavilhão Municipal de Exposições e do Centro de Saúde da Moita.

Na ocasião, espera-se que Movimento Cívico Várzea da Moita e o Bloco de Esquerda troquem informações e aprofundem as respectivas análises sobre o Processo de Revisão do PDM da Moita e sobre outros factos sociais e políticos relevantes e actuais da vida no Concelho.

A Reunião será totalmente aberta à presença e participação activa de Munícipes e outros Cidadãos , que expressamente são convidados do modo mais aberto e amistoso, quer sejam militantes e/ou simpatizantes do Bloco de Esquerda, quer sejam outras Cidadãs e outros Cidadãos em geral, sem particulares afinidades com o BE, mas tão só e apenas interessados em saber mais e em participar e discutir democraticamente as questões de cidadania referidas e outras que a todos nós dizem respeito.

São igualmente convidados com muito gostos as Senhoras e os Senhores Jornalistas da Comunicação Social local, regional e nacional.

Todos (Cidadãos participantes e Jornalistas convidados) poderão colocar em momento próprio as suas perguntas e intervir livremente, dando as suas opiniões.

Esta iniciativa insere-se no quadro da Discussão Pública da Revisão do PDM da Moita / Iniciativa de Cidadãos.
Neste quadro, já teve lugar a 5 Julho '07 uma Reunião com Responsáveis Concelhios do Partido Comunista Português.
Reuniões com os restantes Partidos e outras iniciativas estão igualmente em preparação, e serão oportunamente anunciadas.

Poderão saber mais visitando
um por todos, todos por um
e
Forum Cidadania na Várzea da Moita

Muito obrigado,
Cordialmente,
21 Julho '07

sexta-feira, julho 20, 2007

Os Patrões estão Loucos


Como diria Alfred E. Neuman...se os patrões portugueses querem despedir os seus trabalhadores por motivos ideológicos, ou seja, se a ideologia dos trabalhadores não for a mesma dos patrões, então o único emprego que eu teria, seria ser bancário, pois o único patrão que eu conheço que é anarquista é o banqueiro anarquista que o Fernando Pessoa inventou.

Mas eu não gostava nada de ser bancário...

O casal ibérico perfeito


Resta saber que anda a truca-trucar quem.
Ela vai ficar com a Fundação, isso já é certo.

Álvaro Saraiva discursa no Parlamento

O povo rejubila na Moita!
Só é pena que já tenha lido mal, ou escrito mal, boa parte das primeiras frases, tantas são as aliterações e repetições verbais.
Mas há boas notícias.
Todos os deputados vão passar a ter assessores pessoais, de acordo com a nova reforma do Parlamento.
E assim o nosso conhecido ex-assesssor pessoal passará a ter ele próprio um assessor pessoal.
Ou assessora.
Se isto não é progresso e desenvolvimento, o que será?

quinta-feira, julho 19, 2007

Um atraso vergonhoso



O atraso na entrada em funcionamento do Conselho Municipal de Educação é algo que nenhuma desculpa, por maioria de razão as mal engendradas, consegue justificar.
Dizer como João Logo que «só instalamos agora o Conselho porque pensamos que só agora estão reunidas as condições para o instalar» é uma lapalissada sem sentido e que careceria de demonstração.
Que condições foi necessário reunir?
Que João Lobo e Joaquim Gonçalves estivessem aposentados para melhor controlarem a coisa?

E o que significa dizer que estavam à espra que a legislação mudasse?
O que incomoda o poder moiteiro nesta matéria?
O órgão não está suficientemente instrumentalizado?
Há excessivo pluralismo?

Vamos ser sinceros: a Educação está no fim da lista das prioridades efectivas da CMM.
O apoio às Escolas Primárias é uma obrigação com mais de 15 anos que é cumprido com verbas irrisórias do orçamento municipal. Então para despesas de funcionamento é uma tristeza.
Em matéria de equipamentos, vimos o que acabou por passar-se com os computadores.
Tardaram tanto que acabaram roubados.

As Actividades de Enriquecimento Curricular foram recusadas em nome de uma atabalhoada "pedrada no charco" que só salpica os alunos que delas beneficiariam.
A Carta Educativa devia estar pronta há anos e existem escolas prejudicadas em concursos para apoios devido à sua inexistência.
Afirmando que apoia uma Escola Pública de Qualidade o poder moiteiro estabelece parcerias com entidades privadas para desviar alunos da rede pública de ensino.

Tudo isto só se compreende se percebermos que tudo depende dos humores de alguém que é capaz de produzir esta pérola da retórica:

«se olharmos comparativamente estamos atrasados, mas também é uma verdade que cada um tem os seus ritmos e realidades, também é uma verdade que nós estamos vançados em relação aos outros.»

Palavras para quê, é um político moiteiro!

A prova documental



De que chegámos a ser propostos para uma medalha de mérito municipal.
A companhia era toda digna da mesma distinção.
Mesmo o site oficioso da CMM porque cada um tem a sua missão e desempenha-a como pode.
E a mais não deve ser obrigado.
A maioria CDU disse que não, o shôr Presidente não gosta de anónimos a quem chama cobardes, embora eu reserve esse tipo de epíteto para quem não gosta que se saibam as verdades e para quem se esconde atrás de aparelhistas de segunda linha.

quarta-feira, julho 18, 2007

A Música da Noite

A malta está um bocado assim...


Agora a militância blogueira está um bocadinho a descansar.
Venham os caracóis, as mines e os tramoços.

AVP-BD



Já desisti de arranjar a Bo-Doi de forma regular, pelo que parei no nº 100, que ´sempre histórico.
Agora fico-me pelos números fora-de-série como o deste Verão, agora com 130 páginas e em formato mais manejável: cerca de 25x20.
Não é uma maravilha, mas sempre alivia a falta de boas revistas nacionais de quadradinhos a sério.

terça-feira, julho 17, 2007

A Citação da Noite

«A (re)valorização da água, como elemento da sustentabilidade ambiental e de valorização da paisagem, bem como a revitalização dos espaços e das actividades rurais, são premissas e medidas relevantes do PROT-AML. Os estuários do Tejo e do Sado representam valores estratégicos, a nível metropolitano, impondo-se os seus ordenamentos, despoluição e valorização, no quadro de uma política da água que cuide igualmente dos recursos superficiais e subterrâneos.
Mas também as áreas agrícolas e florestais têm a sua importância ecológica, económioca e social revalorizada, contribuindo, dessa maneira, para a sustentabilidade ecológica da região, com o plano a assumir a necessidade de definir, com rigor, as áreas consideradas vitais para a inversão do processo de degradação do território.» (A. Fonseca Ferreira, Gestão Estratégica de Cidades e Regiões, pp. 351-352)


Os parágrafos suculentos que se poderiam escrever comparando o que aqui se postula e o que a equipa a que F. Ferreira pertenceu outrora acabou por fazer com o PDM da Moita.
Só que estou de férias, não me apetece fazer chover no molhado em relação à completa degradação da frente ribeirinha da freguesia de Alhos Vedros , para não falar da absoluta ausência de uma política local de revitalização das actividades rurais ou mesmo de revalorização das áreas agrícolas e florestais.
Acho que o actual vice-presidente da Cãmara há uns anos até falava e escrevia sobre isso, mas ao que parece varreu-se-lhe tudo da memória.
Pelo menos a avaliar pela praxis.
Ou falta dela.

O elogio dos amigos


(agradecendo a referência ao Rui)

Embora o vídeo seja um pouco menos áspero do que seria de esperar no Jorge Palma.

Expliquem-me como se eu fosse tão burro como sou



De acordo com o shôr Presidente da Câmara, a sua entourage amoitada e um ou outro desvairado que aqui aparece a fazer de analista blogueiro, a vida no concelho é a melhor possível, isto é uma nova centralidade pujante, só não é melhor porque o Poder Central não deixa, o AVP só sabe dizer mal, é formado por corbardes, não tem interesse nenhum, só escreve ofensas e calúnias, ninguém quer saber dele e etc, etc, etc.

Perante isso eu colocaria algumas questões divididas em duas partes, a primeira sobre a forma como o poder moiteiro propagandeia a sua acção, e a segunda sobre os méritos e deméritos do AVP.
Começando:

  • Se é verdade que aqui na Moita é tudo tão boa, porque será que é o concelho que surge em todos os estudos de desenvolvimento regional como o mais atrasado, problemático e sem perspectivas de se tornar um pólo seja do que for a nível regional?
  • Se a culpa é do Poder Central, porque será que outras autarquias vizinhas apresentam níveis de desenvolvimento bem maiores, mesmo pertencendo à mesma cor política?
Agora quanto ao AVP:

  • Se nós só dizemos mal e não interessamos a ninguém, porque somos motivo de discussão ao mais "alto" nível do poder moiteiro e porque passaram a dirigir a sua campanha política mais contra nós do que contra a própria oposição formal?
  • Porque será que já em mais de uma entrevista o shôr Presidente é inquirido sobre os "blogues" e raramente sobre qualquer coisa escrita na imprensa "convencional"?
  • Se somos irrelevantes e ninguém nos liga, por que razão já lançaram diversas campanhas de ataque ao AVP, desde intromissões no próprio template do blogue em finais de 2005 até uma sucessão de insinuações e tentativas de perseguição delatora em relação à identidade dos dois editores do blogue, fora as ameaças transmitidas a terceiros para nos serem comunicadas?
  • Se só caluniamos as pessoas, alguém é capaz de identificar um documento falso que tenhamos divulgado?
  • E quase para finalizar, porque será que sempre que existem acontecimentos de relevo a nível local e nacional as nossas audiências disparam? Mesmo com as eleições em Lisboa foi deu-se a mesma coisa, apesar de estarmos em período de férias. Será que todos querem ser enganados?
  • E agora mesmo para acabar em beleza, porque será que continuamos a ser o espaço na net com maior visibilidade a nível concelhio e nacional, sem nunca andarmos a angariar visitas em blogues de fora ou sem propôr permutas de com,entários como outros fazem? A este respeito só propunha aos nossos críticos que fizessem uma experiência simples: arranjem formas de comparar as entradas no AVP e em qualquer outro blogue ou site do concelho (incluindo o da CMM e das Juntas) e depois digam-nos quem é que tem maior divulgação pública.
Se conseguirem responder a estas questões sem ser à martelada, talvez tenham alguma legitimidade para nos chatearem. Caso contrário só conseguem chatear-se a vocês mesmos e assim cumprem um dos objectivos fundadores do AVP: incomodar que mantém e se alimenta do "sistema moiteiro de desenvolvimento".

Lista Independente para Alhos Vedros


Alhos Vedros precisa de uma lista Independente que concorra às autárquicas, se essa lista aparecer como defensora dos interesses de Alhos Vedros terá o nosso apoio e aí sim, dar-lhe-mos ideias e soluções para a Vila de Alhos Vedros e para todo o concelho actual da Moita para que essa lista prepare o terreno de maneira a que a Moita sobreviva com condições como concelho autónomo, funcional, porque só atingindo a eficácia nas duas Vilas é que será possível a Independência do concelho de Alhos Vedros, mas para isso a futura lista Independente terá de se preocupar e tratar de todo o caos que em 33 anos de gestão do PCP, transformaram esta zona de potencialidades imensas, tanto a nível agrícola, como piscícula, como extrator de sal, como transformador de cortiça, como cultural e histórico, num imenso dormitório, destruindo todas as mais valias do Concelho da Moita.


O PCP local é o nosso inimigo principal e isso devido às suas políticas desastrosas que implementaram no concelho da Moita.

Não nos peçam agora que lhes demos soluções para se perpetuarem ainda mais no poder.

O poder local do actual concelho da Moita tem de mudar e não são o PCP nem o PS locais que têm essa massa humana crítica capaz de mudar esses partidos por dentro, embora dentro desses partidos existam pessoas honestas, não duvido, mas como são vozes críticas são por isso incómodas nesses partidos e por isso não têm visibilidade, especialmente no PCP a autonomia individual está totalmente atrofiada devido à voz do seu dono, João Lobo.


No PS tirando o caso do Vitor Cabral, não há mais ninguém que dê a cara por esse partido aqui no concelho da Moita durante os anos de oposição, apenas durante os periodos eleitorais em que prometem tudo e mais alguma coisa, mas apenas para conquistarem o poder, desaparecendo imediatamente assim que perdem as eleições.

Não nos peçam por isso para dar ideias que seriam depois aproveitadas por esses partidos, o PCP para se perpetuar no poder e o PS para destruir o pouco que falta destruir.


Ajudaremos e apoiaremos sim quem ama Alhos Vedros e quer verdadeiramente mudar esse estado de coisas. Apoiamos o Raminhos nas últimas eleições, embora estejamos muito longe dos seus ideais ideológicos e apoiaremos o PSD se esse partido se mostrar defensor dos munícipes de Alhos Vedros, estando também muito longe ideológicamente desse partido, mas o que Alhos Vedros precisa, volto a reafirmá-lo é duma lista Independente e já agora também a Moita, por isso pedimos aos cidadãos que se organizem.


O Luís Guerreiro quase sózinho conseguiu numa campanha independente um resultado muito bom para o seu candidato Manuel Alegre, que ficou em segundo lugar nas eleições aqui no concelho da Moita, com 25,38%, apenas superado por Jerónimo de Sousa com 30,90%.Podem dizer as más línguas que Manuel Alegre teria conseguido esse mesmo resultado no concelho da Moita, ou até melhor se ele não fosse o mandatário de Manuel Alegre, mas a verdade é que o LG não recebeu dinheiro de ninguém e pelo que nos contou, gastou do seu bolso menos de 100€ com a campanha.

Será talvez um bom exemplo de como será viável a eleição de vereadores numa lista Independente por Alhos Vedros.

segunda-feira, julho 16, 2007

Saramago o Primeiro Porco Ibérico


O espanhol nóbelizado, José Saramago, ganhou destacado o primeiro lugar na "Galeria do Porco Ibérico", ao Mário Lino que agora passou para o segundo lugar, devido à sem vergonha dos argumentos anti-patrióticos deste militante do partido internacionalista PCP.
O josé Saramago pode desde já contar com a luta armada da facção Nacionalista Libertária do AVP, para combater a entrega de Portugal aos espanhóis, porque dez ETAS nascerão aqui em Portugal para acabar com os seus devaneios senis de integração ibérica.
Eis o resumo do texto de Saramago, publicado no DN de hoje:

"Portugal deveria tornar-se uma província de Espanha
O prémio Nobel português José Saramago defende, numa entrevista publicada hoje no Diário de Notícias, que Portugal deveria tornar-se uma província de Espanha e integrar um país que passaria a chamar-se Ibéria para não ofender «os brios» dos portugueses. O escritor, que reside há 14 anos na ilha espanhola de Lanzarote, considera que Portugal, «com 10 milhões de habitantes», teria «tudo a ganhar em desenvolvimento» se houvesse uma «integração territorial, administrativa e estrutural» com Espanha.
Portugal tornar-se ia assim, sugere o Nobel português, mais uma província de Espanha: «Já temos a Andaluzia, a Catalunha, o País Basco, a Galiza, Castilla La Mancha e tínhamos Portugal».
«Provavelmente (Espanha) teria de mudar de nome e passar a chamar-se Ibéria. Se Espanha ofende os nossos brios, era uma questão a negociar», disse o escritor, membro do Partido Comunista Português desde 1986.
Questionado sobre a possível reacção dos portugueses a esta proposta, Saramago disse acreditar que aceitariam a integração, desde que fosse explicada: «não é uma cedência nem acabar com um país, continuaria de outra maneira. (...) Não se deixaria de falar, de pensar e sentir em português». Na visão do escritor, Portugal não passaria a ser governado por Espanha, passaria a haver representantes de ambos os países num mesmo parlamento e, tal como acontece com as autonomias espanholas, Portugal teria também o seu próprio parlamento.
Numa entrevista de quatro páginas ao Diário de Notícias, José Saramago diz que em Agosto começa a escrever um novo livro e fala também da sua fundação, recentemente constituída, que deverá «intervir social e culturalmente, preocupar-se com o meio ambiente e outras questões», além de promover o trabalho do escritor.
A Fundação José Saramago, que será presidida pela mulher do escritor, terá sede em Lisboa e prolongamentos em Lanzarote, na terra do escritor, Azinhaga, e na terra de Pilar, Castril.
Diário Digital/Lusa"

Dá que pensar...


Ridículo

O atraso no funcionamento do Conselho Municipal de Educação e na elaboração da Carta Educativa do concelho são uma vergonha de que só pode ser responsabilizado o poder moiteiro.
E chegam a ser patéticas as justificações para esta situação dadas por João Lobo, professor precocemente aposentado, conforme se pode ler em notícia de O Rio:

«Questionado sobre o facto do conselho ter sido instalado após quatro anos de aprovação legislativa, o edil moitense esclareceu que “só agora o instalámos porque pensamos que agora estão reunidas as condições para o instalar”. “Ao longo deste tempo aguardámos que houvesse a perspectiva de alguma alteração a esta Lei e à constituição do Concelho Municipal de Educação”, concluiu.
No que diz respeito à falta de apresentação da carta educativa, João Lobo afirma que “se olharmos comparativamente o Concelho da Moita está atrasado”, no entanto o presidente sublinhou que “entendemos fazer a carta educativa com meios próprios, e recorrer o menos possível ao exterior. Estamos a fazê-lo com a prata da casa”, entendendo que esta escolha beneficiará a carta educativa.»

Ainda não percebi se a vergonha se gastou toda, se apenas está ser poupada para ser usada na aposentação já a partir de 2010.
Porque quem enterrou dinheiro como enterrou no processo de revisão do PDM, recorrendo aos amigos de fora habituais, não poderia fazer o mesmo com a Carta Educativa?
E se metade da prata da casa está encostada às boxes na DASC porque não meter essa gente a trabalhar?
O antropólogo não tem competência para mais do que recolher fotos de touradas?

Por mim, pode integrar-se e ficar por lá



Qualidades literárias à parte, há uma imensa falta de paciência para esta sabedoria bacoca, algo senil, com que Saramago nos brinda com alguma regiularidade, como se lançasse pérolas a porcos.
Desta vez foi no DN de ontem que Saramago quis legitimar a sua deserção para as adjacências castelhanas e o seu alegre conúbio com uma indígena daquelas partes.
O iberismo entre nós é uma tendência não residual e transversal, pelo que não é estranho encontrá-la num marxista militante e em capitalistas neo-liberais.
Por mim até já tenho uma proposta há muito: integrem desde já a Moita em Espanha e ficamos todos felizes.

domingo, julho 15, 2007

Helena Roseta, Pois Claro !


A eleição de 2 vereadores com 10,21% dos votos, pela candidatura de Helena Roseta, numa eleição em que a abstenção foi de quase 63%, mostra a força dos cidadãos que realmente se preocupam com a situação de Lisboa.

A UNS com toda a sua máquina de poder e propaganda e contando até com a força militante duma excursão de velhotes do Alandroal, que antes tinham estado em Mafra, apenas conseguiu 29,54 % o que é muito pouco para um discurso tão premente e vitorioso, por parte do nacional-socialista e inflamado Sócrates.

Balanço alfacinha final



De acordo com os resultado finais conclui-se que a maior parte dos lisboetas se está perfeitamente borrifando para o que fazem com a sua cidade, de tão mal-tratada ela tem sido.
Com o seu centro histórico cada vez mais desertificado, Lisboa quase só vive dos trabalhadores migrantes e dos seus arrabaldes cada vez mais parecidos com meros subúrbios.
Não espanta que o pessoal se desinteresse.
Apesar de tudo votaram quase 200.000 almas e o que nos disseram os seus votos:
  • Que António Costa ganhou com um resultado magríssimo para as expectativas e as sondagens.
  • Que Carmona surpreendeu todos e, quase sem meios, leva 16,7% dos votos e 3 mandatos, provando de novo que ser arqguido nem sequer é desvantagem, desde que se passe por vítima.
  • Que a candidatura do PSD foi catastrófica a vários níveis.
  • Que Helena Roseta consegue mais de 10% com uma campanha saída do nada em dois meses, demonstrando que o desagrado com os aparelhos partidários é imenso.
  • Que a CDU mantém a sua representação ao nível de vereadores, mas perde 2%.
  • Que o Bloco tem um desempenho paralelo ao da CDU, perdendo 1%, mas mantendo o seu vereador.
  • Que o CDS e Telmo Correia não interessam a quase ninguém.
  • Que Garcia Pereira lá se vai aguentando e, com sorte, um dia disputa a subida de divisão com o CDS.
  • Que no campeonato da direita mais extremada o PNR embarretou a Nova Democracia e o Manuel Monteiro deveria dedicar-se a outro tipo de actividade.
  • Que o MPT e o PPM acrescentam colorido à campanha mas pouco mais.

A máquina televisa do PS em funcionamento

Não há que enganar: enquanto Nuno Júdice apresentava a declaração por parte da candidatura de Helena Roseta, RTP e TVI filmavam um Fontão de Carvalho silencioso à espera de vez para falar.
Só a SIC acompanhou a declaração.
Apesar de tudo, a candidatura de Carmona revelou um mínimo de cortesia.
As estações televisivas dominadas actualmente pelo PS optaram por um técnica vergonhosa de silencamento de uma das candidaturas.
Triste e vergonhoso este regime televisivo só-cretino.

Lisboa

Afinal Carmona penteou-se todo para a frente e Negrão terá posto gel o que fez com que o candidato do PSD ficasse em 3º lugar, contra as nossas expectativas.
Roseta ultrapassa os partidos mais à esquerda e consegue que Costa fique entalado entre os 6 e 7 vereadores.

Lições óbvias: as máquinas partidárias começam a não funcionar em pleno perante as candidaturas independentes. Carmona é um dos vencedores da noite, juntamente com Roseta.
Juntos são cerca de 30% dos votos que escapam ao aparelhismo.
Costa ganha mas a um nível esperado, não conseguindo um resultado entusiasmante, longe disso.
Ruben e Sá Fernandes fixam o seu eleitorado.
Quanto ao sempre-jovem mas com ar envelhecido Telmo leva a tareia que se esperava e restam-lhe os sorrisos do Paulinho dos Submarinos que o mandou para o sacrifício.

Eleições em Lisboa.Primeiras Ilações

1-António Costa nem se aproxima da maioria absoluta, a UNS perde o seu número 2 e o Socretino agora será o responsável absoluto de toda a política nacional da UNS, António Costa será o responsável de toda a sobrevivência deste governo intercalar municipal Lisboeta e não será tarefa fácil, pois a coligação com Carmona para viabilizar uma maioria será extremamente desgastante para o AC, minando ainda mais a UNS nacional.

2-O PSD tem um resultado ridículo, o que fará cair o actual presidente do partido, Marques Mendes e assim possibilitar a esquerda do PSD de se apoderar das rédeas do partido e quiça, pôr o Luís Nascimento, numa situação mais nacional.

3-Helena Roseta pode atingir os três vereadores o que mostra a força do poder da cidadania e da militância tranquila dos cidadãos mais sábios.

4-O PCP, mantem-se, mas isso é apenas porque os Lisboetas não lêem o AVP, nem vivem no actual concelho da Moita.

5-O BE, mostra que não sabe utilizar as mais valias da honestidade e da postura íntegra de Sá Fernandes, talvez porque o povo Lisboeta e o povo Português, depois de tanta corrupção na política já nem consegue distinguir entre a honestidade e a desonestidade nos políticos e por defeito acha-os a todos passíveis de serem desonestos assim que se tornam poder.

6-O CDS, não tem espaço político em Portugal, se não eleger o Telmo Correia.

AV2

Relembremos as sondagens



O Cartoon de Domingo

Mike Luckovich

A última missão...

... antes de entrarmos em serviços mínimos estivais passará pela análise dos resultados das eleições intercalares para a Câmara de Lisboa, embora me pareça que os resultados serão pouco surpreendentes.
  • António Costa ganhará, porque foi para isso que houve eleições.
  • Negrão ficará em 2º lugar, batendo Carmona por uma melena branca, sendo que o anterior Presidente será penalizado pela sua calvície.
  • Roseta chegará em 4º lugar, de bicicleta.
  • Ruben de Carvalho ficará a seguir, cumprindo a sua missão, que é bater o candidato do Bloco
  • Sá Fernandes fechará o naipe de vereadors notáveis.
  • Telmo Correia receberá, feliz, o aplauso do chefinho Portas, por ter chegado em último.
A CML ficará - continuará - virtualmente ingovernável, a menos que Costa se afaste dos tiques socráticos e decida fazer uma gestão decente e não sectária.
Daqui a dois anos logo se vê.

sábado, julho 14, 2007

A Citação da Noite

«É impossível controlar as redes globais, mas podem-se controlar as pessoas que as utilizam e, de facto, no futuro estará controlada, a não ser que as sociedades optem pela defesa da liberdade na Internet, actuandod esde as barricadas dos seus nostálgicos libertários mas indo para além delas na sua confrontação com os mecanismos do poder político.
(...)
Em última análise, e ainda que se escudem com diversos pretextos, os governos não confiam realmente nos seus cidadãos - porque acreditam que têm sempre mais razão do que eles. (...) Portanto, se as pessoas não confiam no seu governo e os governos não confiam nos seus cidadãos (afinal de contas, os partidos políticos utilizam todo o tipo de estratagemas para ganhar as eleições), não é de estranhar que no surgimento da Internet como um espaço de liberdade se tenha manifestado esta mesma divisão, com os defensores da liberdade tratanmdo de conservar esta nova terra de oportunidade, e os governos mobilizando os seus consideráveis recursos para fechar este escape aos seus sistemas de controlo.» (Manuel Castells, A Galáxia Internet, pp. 218-219)

Este Homem é um sinhôre, e sabe muito, carambas...

Olhem lá que bela apresentação sobre o novo aeroporto!
Pelos vistos é a favor da Ota.
Não se percebe bem.
Talvez sim, talvez não.
Depende.
Conforme.
Ou então não.
Pena mesmo é não ter colocado a Moita em nenhum mapa.

Já estou mais descansado e poupa-se nas hóstias

"Beber uma cerveja no Verão não é pecado"

Reunião "Pública" Revisão PDM 9.7.2007 parte 3 e última


Última parte, de três, da Reportagem sobre a Reunião "Pública" para a Revisão do PDM que decorreu no Salão Nobre dos Paços do Concelho da Moita às 17 h. do dia 9.7.2007 com intervenções dos vereadores do PS, PSD e BE.
O pedido do uso da palavra pelos munícipes para questionar a revisão do PDM e a sua recusa por parte de João Lobo e o silêncio total em que se mantiveram todos os vereadores da maioria CDU que votou SIM a este PDM, como se de autómatos se tratassem, apenas reconhecendo a voz do seu dono, João Lobo.
Isto não foi um acto de cidadania, mas sim um acto de cobardia em que os vereadores da maioria CDU se comportaram como matilha e não como seres humanos individuais com autonomia e pensamento próprio...uma vergonha para a espécie humana.

A ditadura da maioria sobre os cidadãos, apenas porque os eleitores lhes deram essa maioria pensando estar a votar num partido que sempre lutou contra a ditadura.

N.R. (A perca de frames que fez dissincronizar a voz da imagem, tem a ver pelo que nos disse o nosso amigo LG, com a falta de memória SDRAM do seu computador, que deveria ser de 1 Giga, mas que tem apenas metade.)

sexta-feira, julho 13, 2007

A imagem da noite



Uma excelente razão para ver a série Boston Legal.
Isso e o par insuperável formado por William Shatner e James Spader, em papéis perfeitamente inesperados.

(A saudável rapariga chama-se Rhona Mitra e só uma amoitado formado no politcamente correcto enjoativo pode não gostar e chamar-nos misóginos. Não é que nos importemos sequer com isso...)

Mas o dia de Portugal agora...

... é sempre que um homem quiser?

Se o Brocas diz...

... que a CACAV vai organizar no Domingo uma Maratona Fotográfica nós acreditamos.
Não é que tenhamos qualquer informação, porque eles são demasiado sérios para terem algo a ver connosco.
Já se montassem um site - para não se enlamearem no mundo dos blogues - é que era uma grande ideia.
Continuar agarradinhos à nostalgia da Idade Pré-Vapor e Pré-Internet faz-vos mais velhos ainda.

Reunião "Pública" Revisão PDM 9.7.2007 parte2



Continuação da segunda parte, de três da Reportagem sobre a Reunião "Pública" para a Revisão do PDM que decorreu no Salão Nobre dos Paços do Concelho da Moita às 17 h. do dia 9.7.2007 com intervenções dos vereadores do PS, PSD e BE.

Eles andam à pesca

Um pseudo senhor Martelo, que já teve outros nicks quando não foi anónimo e nos prometeu porrada, agora convida-nos para um debate civilizado.
Este malta moitada já tentou de tudo o que o par de neurónios que lhes resta dá para imaginarem, no sentido de nos descobrirem a identidade.
Será que realmente acreditam que um elemento do PC na clandestinidade aceitava encontrar-se com um bufo da PIDE, só para uma conversinha "civilizada"?
A situação, no caso presente, é muito parecida.

Percebemos o que lhes dói. Em pleno Verão o AVP mantém durante a semana cerca de 350 visitas diárias, triplicando o blogue oficioso do regime.

Lamentamos, mas não se pode fazer nada.
As armas em presença são demasiado desiquilibradas e nós não gostamos de sublinhar excessivamente que a qualidade e o interesse das questões levantadas compensa mais do que reproduzir a voz dos donos.

quinta-feira, julho 12, 2007

O Filme do Ano

A Imagem da Noite



Onde esta está, há muito mais e excelentes.

Citação da Noite

«Amadora, Cacém, Margem Sul já não são recuperáveis.»
(Gonçalo Ribeiro telles, Visão, 12 de Julho de 2007)

E ele sabe do que fala porque até passou pela Moita por ocasião da Conferência sobre as Mais-Valias.

E esta última semana tem sido do melhor:
- Incêndios no Seixal.
- Amoníaco à solta no Barreiro.
- Democracia musculada na Moita.

Experimentem trocar lá umas palavrinhas ao texto

Escreve o nosso conhecídissimo e afectuoso Álvaro Saraiva no Setúbal na Rede:

«A proposta do Tratado de Revisão [sic] continua a assumir no essencial o que já estava no tratado constitucional, esta proposta reforça o poder dos grandes países a partir de 2014, retirando capacidade de influência a países como Portugal ao nível dos processos de decisão, fim das presidências rotativas, ampliação das decisões por maioria qualificada. Este tratado mantêm na sua essência a lógica de um modelo económico neoliberal, tendo como base o pacto de estabilidade, ao mesmo tempo que ataca os direitos sociais, a segurança social, os serviços públicos.

O que é substancial mantêm-se na íntegra como seja o reforço de competências da União Europeia, em detrimento das competências nacionais.

Podemos concluir que apenas se rebaptizou a Revisão do Tratado, para manter toda a mesma lógica.
(...)
É ou não verdade que o sistema de decisão vai beneficiar largamente os grandes Estados? O Povo Português tem o direito de participar na decisão do Tratado, tenha ele o nome que tiver.»


Experimentem substituir as expressões "tratado" por "PDM", "grandes países" por "grandes interesses privados locais", "União Europeia" por "CMM", "competências nacionais" por "competências dos cidadãos" e "povo português" apenas por "povo" e isto aplica-se que nem uma luva à situação neste concelho que Álvaro Saraiva tão bem conhece.

Ou será que quando escreveu esta prosa não percebeu que a lógica usada pode ser reversível e aplicar-se a situações que o próprio defende de forma activa e militante contra os princípios que diz defender?

É certo que não seria de esperar muito melhor, mas estes textos parecem escritos à martelada.