sábado, dezembro 15, 2007

Isaltinices

Em peça de José António Cerejo, no Público:

«Isaltino Morais depositou quatro vezes o que ganhou
15.12.2007, José António Cerejo

A tese da acusação, que o juiz considerou consistente, é a de que o autarca se serviu das suas funções para enriquecer ilegalmente
"Caricatas." É como o juiz qualifica as alegações de que a fortuna de Isaltino teria origem na sua ex-sogra
a Isaltino Morais depositou entre 1993 e 2002, só nas suas contas da Suíça e nas da sua ex-secretária, qua-
se quatro vezes mais dinheiro do que declarou ter ganho no exercício das suas funções. E o IRS que devia ter pago e não pagou nesse período ascende a cerca de 630 mil euros - lê-se no despacho judicial que esta semana o pronunciou, para posterior julgamento, pelos crimes de participação económica em negócio, corrupção passiva, branqueamento de capitais, abuso de poder e fraude fiscal.»


Pois é, pois é.
O homem com este dinheiro deveria era ter-se aposentado, em vez de voltar.
Com a experiência que tem, assim como com as conivências que ramificou pelo Bloco Central, pensou que escaparia.
E provavelmente escapa.
Mas sempre vamos sabendo o que fez.
Mais a Norta a Fatinha Felgueiras parece que também vai acabar atrapalhada.
A Justiça tarda quase sempre e por vezes nem chega.
Mas em outros casos vai chegando.
Devagarinho.
Talvez por isso alguns tentem marchar antes que.

2 comentários:

Anónimo disse...

E qual é a diferença entre roubar para si próprio e roubar para um "colectivo rebarbativo", uma seita restrita que no entanto se impõe maquiavélicamente à maioria e a esmifra indecente e criminosamente ?

mário da silva disse...

Como no caso da UGT e do desvio dos fundos do FSE.

Todos inocentes e um dos crimes até conseguiu prescrever.

Assim, só rindo... que é para não chorar.