sábado, julho 12, 2008

Hom'Eça...



O Expresso publica hoje um inédito de Eça de Queirós, datado de 1892.
E então não é que logo no terceiro parágrafo se fala "do soalheiro turbulento de Alhos Vedros"?
Sim, senhora, assim é que é.
Acaso Eça iria falar do "odor da bosta da Moita"?
Claro que não.
Para falar de Camões e da sua obra nada como ir ao que interessa.
A Alhos Vedros, pois então.

4 comentários:

Anónimo disse...

Soalheiro, como refere o Dr. José Manuel Vargas, lugar de ócio e má língua, tal qual este blog, de maldizer e intrigar a vida alheia.

fusquinha disse...

Soalheiro de Sol, sua besta!

Anónimo disse...

Besta és tu, seu ignorante.

Lê o Camões que ele lá te conta o que escudeiros e senhores faziam em Alhos Vedros, e ao Sol.

Pois, evidentemente "soalheiro" vem de "Sol", só que a imagem literária não se refere à qualidade dos raios do astro, refere-se à ociosidade.

A Moita tem cavalos, Alhos Vedros tem mesmo grandes bestas. Lê o Camões seu ignorante.

Anónimo disse...

Tem cavalos e bois como tu, moiteiro inergume...